sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Novo RG chega ao Pará em 2012


Lançado na semana passada em Brasília, o novo modelo de registro de identidade civil (RIC) só começará a virar realidade para os paraenses no ano que vem. O documento de identidade é o mais atual e irá substituir o antigo Registro Geral (RG). Somente os estados do Rio de Janeiro, Bahia e Brasília terão acesso ao RIC nesse primeiro ano, o que deve atingir 80 mil registros únicos.
No Pará a previsão é que o RIC só comece a ser usado em 2012. Segundo informações do diretor de Identificação Civil, Antônio Moura, o governo deve desembolsar cerca de R$ 2 milhões para implantar o sistema de identificação informatizado. “Após adquirir o sistema, vamos começar a fazer a transição das identidades”.
“O objetivo dessa mudança no documento de identificação é coibir fraudes”, comentou Moura. O RIC é composto de diversos mecanismos de segurança. O chip é o principal deles, onde estarão armazenadas as impressões digitais do titular e informações como sexo, nacionalidade, CPF, título de eleitor, entre outros.

NÚMERO ÚNICO

Cada cidadão passará a ter um número único baseado em suas impressões digitais do Cadastro Nacional de Registro de Identificação Civil, que estará integrado com as bases de dados dos órgãos de identificação dos estados.
“As pessoas poderão ter vários RGs pelo país, mas o RIC será único. O número será usado em todo o território”, afirmou o diretor. Nos estados em que o RIC só irá valer a partir de 2012, o documento deverá ser usado junto com a carteira de identidade antiga, como forma de verificar a autenticidade do novo registro.
O prazo para os 180 milhões de brasileiros estarem todos com a sua identidade digital é de nove anos. Os paraenses que forem trocar seus registros deverão pagar o mesmo valor da taxa atual, R$ 28.

ATRATIVOS

RIC terá 17 itens de segurança, unificará documentos, incluindo o CPF e o título de eleitor, e contará com validade de 20 anos.


Fonte: Diário do Pará

Imprima esta Postagem

2009-2013 * 4º GBM-PA *Customizado por Marcelo Quemel * Melhor visualizado no Google Chrome e Firefox