quinta-feira, 21 de junho de 2018

Cães-bombeiros vão atuar como 'terapeutas' em Santarém


d5528712-66ed-4258-a3a4-44de295d91ccO Programa desenvolvido pelo Projeto Escola da Vida, do 4º Grupamento de Bombeiros Militar vai ajudar no desenvolvimento motor e mental de alunos com autismo, síndrome de down e outras deficiências na coordenação motora.

Um programa do Projeto Escola da Vida, do 4º Grupamento de Bombeiros Militar de Santarém, no oeste do Pará, vai ajudar no desenvolvimento motor e mental de alunos com autismo, síndrome de down e outras deficiências na coordenação motora e mental. A cinoterapia, prática que utiliza cães em tratamentos multidisciplinares de pacientes será implantada no município.

A iniciativa surgiu a partir de cursos realizados por militares do Corpo de Bombeiros. “Dentro desses cursos conhecemos a atividade, não só na evolução para os cães de busca como para utilizar da ferramenta como uma inclusão”, disse o militar Thiago Carvalho.

95dee695-b5a2-43b6-a1d6-3cabc967aa0d002cab1e-c901-4cb2-bad6-184c28c5660d

Em Santarém existe um projeto similar que já vem sendo desenvolvido pela Polícia Militar: a equoterapia, que utiliza o cavalo para realizar atividades interdisciplinares em saúde, educação e equitação, visando o desenvolvimento biopsicossocial de pessoas com deficiência ou necessidades especiais. A terapia com cães deve ampliar os serviços.

“No sentido de dar a oportunidade para as crianças que não conseguem montar no cavalo, trazemos essa alternativa para os pais trabalharem com seus filhos juntamente com os cães. Tenho certeza que isso ajudar no desenvolvimento psicomotor e na percepção das crianças”, disse o comandante do 4º Grupamento Corpo de Bombeiros, tenente coronel Ney Tito.

Para a presidente da Associação de Pais de Pessoas com Necessidades Especiais do Tapajós (APPNet), Thiani Sousa, o projeto se apresenta como uma possibilidade de inclusão social.

“Vem nos ajudar com relação ao desenvolvimento intelectual e motor dos nossos filhos. O meu, por exemplo, tem paralisia cerebral, como ele ainda não pode ficar na equoterapia, temos essa outra alternativa que vem agregar e somar com a gente”, finalizou.

Por G1 Santarém, PA

20/06/2018 17h36

Imprima esta Postagem

2009-2013 * 4º GBM-PA *Customizado por Marcelo Quemel * Melhor visualizado no Google Chrome e Firefox